Google
Uma Baita Jogada: Março 2008

domingo, 30 de março de 2008

Rompendo com conservadorismos

Como quase todos assuntos referentes ao Marketing Esportivo, o uso do terceiro uniforme é extremamente polêmico. Normalmente, os Clubes têm duas ou três cores em suas convenções. A terceira camisa (em alguns casos, até a segunda) vem para inovar, numa jogada de Marketing.

Neste domingo, estava certo que o Corinthians estrearia seu novo uniforme roxo, uma alusão a quem se diz “torcedor (no caso, Corinthiano) roxo”. Quase certo. Os jogadores até entraram com as novas camisas; entretanto, talvez até devido às manifestações contrárias feitas por parte da torcida, como pichações nos muros do Parque São Jorge, enfrentaram o Marília com seu tradicional kit: camisas e meias brancas e calções pretos. A alegação de Luiz Paulo Rosenberg, Vice-Presidente de Marketing do Timão, foi que o uniforme poderia ficar marcado como azarado, já que o jogo era decisivo.

As boas vendas que a camisa teve durante a semana confirmaram-se no Morumbi, onde foi realizado o jogo. A imprensa mostrou muitas imagens dos torcedores vestindo roxo.

O Palmeiras também apresentou mudança neste quesito. No ano passado, lançou uma camisa diferente do verde tradicional. Joga com uma espécie de verde-limão, que é enorme sucesso de vendas. Nos jogos do Verdão, é comum ver milhares de “pontos luminosos” em meio à torcida.

Para evitar conflitos com sua torcida, os times poderiam consultar seus adeptos antes de realizar uma ação dessas, promovendo enquetes e concursos para saber o que a claque pensa e quer.

O conservadorismo não tem vez no mundo do Marketing. Os Departamentos deste setor dos Clubes devem estar sempre atentos às inovações e no que ações positivas podem gerar financeiramente aos cofres. É tempo para se diferenciar no Mercado, de buscar cada vez mais novos produtos que possam virar fontes de renda.

Na Europa, o Barcelona já vestiu azul-celeste, laranja e verde-limão, lançando a “mania”. O Chelsea também usou o mesmo verde. A Juventus, rosa e vermelho. Só para citar alguns exemplos de rompimento que tiveram bom índice de aceitação e vendas.

Portanto, Corinthians, não tenha medo de usar o roxo, nem deixe os torcedores que compraram a camiseta desconfortáveis. Parabéns a quem rompe com o tradicionalismo! Que fique de incentivo aos profissionais do Marketing Esportivo. Os progressistas saem na frente.


Imagem Corinthians: Reprodução Sportv

Foto Palmeiras: Folha

sexta-feira, 28 de março de 2008

Naming Rights: Vale a tradição ou o dinheiro?

Em primeiro lugar, é necessário explicar o significado do termo, que ainda não é totalmente dominado pelas pessoas. Naming Rights, ou Direitos de Nome, é um acordo para aluguel do nome de uma casa de espetáculos, competição, ou complexo de esportes, para uma empresa dar o seu ao lugar por um determinado tempo, através de contrato.

Nos Estados Unidos e na Europa, o acordo é comum. Aliás, foi nos EUA onde pesquisadores acreditam que ele teve início. O Buffalo Bill concedeu o nome de seu novo estádio para a Rich Products Corporations, em 1973, por um milhão de dólares e um contrato de 25 anos de duração.

Alguns exemplos são o American Airlines, em Miami, a Allianz Arena, em Munique, o Emirates Stadium, em Londres, e a Kyocera Arena, em Curitiba. Em campeonatos, há a Copa Santander Libertadores.

O Arsenal, dono do Emirates Stadium, pelo contrato, receberá 150 milhões de euros durante 15 anos. Ficou acertado também que a companhia aérea de Dubai estamparia sua marca na camisa do Clube por oito anos.

Há pouco, a Juventus, de Turim, assinou com a italiana Sportfive. Assim, a nova Arena da equipe receberá o nome da empresa por 15 anos a partir de sua criação. A cada ano, a “Velha Senhora” arrecadará 6,25 milhões de euros pelo empréstimo dos direitos.

Brooks (1997) afirma que “Entre as motivações para uma organização investir em patrocínio esportivo, está a criação de uma identidade entre as marcas do patrocinado e do patrocinador, o que pode possibilitar o aumento nas vendas, na lealdade e no reconhecimento da marca do patrocinador junto ao público ligado ao esporte.”

Contudo, trocar o nome de um Estádio já existente entra em conflito com tradicionalismos. O Clube, o torcedor e a imprensa já estão identificados com o nome de sua casa. É, então, necessário fazer uma pesquisa para mensurar a viabilidade do projeto.

Além disso, há problemas com os meios de comunicação. Alguns não chamam a Equipe de Fórmula-1 Red Bull Racing pelo seu nome. Utilizam a sigla RBR. A mesma dificuldade é vivida na Kyocera Arena, chamada, às vezes, de Arena da Baixada, seu antigo nome. É preciso exigências nos contratos com os veículos para que estes usem seu nome oficial.

Também há entraves quanto à infra-estrutura. Empresas não investirão em locais que não apresentem condições de limpeza, segurança e conforto.

Apesar das dificuldades mencionadas, o Naming Rights é uma excelente estratégia de Marketing, que rende muito dinheiro. Há de prevalecer sobre o conservadorismo da mente das pessoas. No futebol de hoje, os Clubes não podem depender somente das vendas de jogadores e das receitas da televisão. É fundamental encontrar novas formas de receita.

Pela evolução dos Clubes Brasileiros!


Foto: arsenal.com

quinta-feira, 27 de março de 2008

Atlético Paranaense promove “Caça ao Tesouro”

Mais um Atlético esteve de aniversário nesta semana. Depois do Centenário do Atlético Mineiro, terça-feira, ontem foi a vez de o Atlético Paranaense apagar suas velinhas.

Em seu octogésimo quarto ano de vida, o Furacão lançou um grande evento para estreitar relações do Clube com seu associado, na Kyocera Arena. A festa começou às 14 horas e seguiu até as 16 e contou com a participação de 500 atleticanos. Os torcedores deveriam procurar envelopes - que, num total de 84, dariam direito a brindes - nos corredores e cadeiras do Estádio.

Dentre os prêmios, estavam cachecóis, camisas oficiais, chuteiras, livros, pen drives, MP4 e até uma poltrona reclinável.

Uma baita jogada do Atlético, que deverá ter repetição em 2009. E serve de motivação para que os torcedores brasileiros se associem a seus Clubes de coração. O Sócio sempre terá preferência, em relação aos outros torcedores e alguns “mimos” a mais. O Furacão conta, hoje, com 5 mil associados, além de 8 mil donos de cadeiras.

Por iniciativas como essas, um excelente estádio (com faturamento por naming rights), uma torcida fanática, e uma organização diferencial, é que o Atlético é um dos grandes Clubes deste Brasil.

Foto: caparanaense.com

terça-feira, 25 de março de 2008

1000 sócios para cada ano de vida

Essa é a meta do Internacional para o ano de seu Centenário, em 2009. 100.000 sócios em dia com o Clube. Ousada. Seria um dos times com maior número de sócios no mundo inteiro.

Ontem, durante o evento de lançamento da campanha, o presidente Colorado, Vitorio Piffero, afirmou querer que a Carteira de Sócio seja a Carteira de Identidade do torcedor.

O apelo emocional que a Direção quer passar é de que o torcedor faz parte dessa história centenária, repleta de lutas e conquistas; que a meta deve ser atingida pelo torcedor.

A campanha publicitária será dirigida pela e21 e terá como slogan “100 anos. 100 mil sócios". Incluirá ainda anúncios em jornal e outdoors, comerciais para a televisão, spots para rádio, além de ações específicas aos antigos sócios Colorados.

O Vice–Presidente de Marketing, Jorge Avancini, anunciou ainda a promoção de blitze, com promotores agindo diretamente com os torcedores, em escolas, faculdades e em pontos onde haja movimentação noturna.

Há ainda a criação do Projeto Rio Grande Vermelho, dirigido aos Consulados Colorados do Rio Grande do Sul, que promoverá uma ‘competição’ entre os mesmos, com direito a premiações aos mais produtivos. O objetivo do Projeto é que cada cidade tenha, pelo menos, 1% de sua população associado ao Clube.

Atualmente, O Inter conta com duas modalidades de associação. A primeira, mais antiga e que já não permite mais novos torcedores, com uma mensalidade de 45 reais, dando direito a ingresso livre aos jogos. A segunda, denominada Sócio Campeão do Mundo, dá desconto no valor de 50% das entradas, e cobra 20 reais. Os novos associados entrarão nessa categoria.

O Inter, que registra hoje a marca de mais de 50 mil sócios em dia, planeja o cumprimento da meta até 4 de abril de 2009. Se alcançá-la, será o sexto Clube do mundo com maior número de sócios. Os cinco primeiros são, hoje, Benfica, Barcelona, Manchester United, Bayern, de Munique, e Porto, na ordem.

Em clima de festa, Piffero anunciou mais uma bela promoção. O Colorado, que chegou a liberar o ingresso de mulheres no Beira-Rio em um jogo e, em outro, facilitar a entrada das mesmas, mediante doação de dois quilos de alimento ou um brinquedo, abrirá suas portas aos Sócios da modalidade ‘Campeão do Mundo’. Estes não precisarão comprar ingresso para a partida contra o Internacional, de Santa Maria, amanhã.


O Inter querendo ser ainda mais Gigante.


Imagem: internacional.com.br

segunda-feira, 24 de março de 2008

Recompensa à devoção

O Glasgow Rangers, da Escócia, realizou um grande investimento para seus torcedores. Todos os 2500 ingressos destinados à torcida do Clube escocês, para o jogo contra o Sporting, foram comprados pela sua Direção e serão distribuídos àqueles que têm gastado suas economias para acompanhar o time aonde ele for.

A iniciativa foi justificada como agradecimento ao apoio que os torcedores vêm dando ao Rangers nesta temporada. O jogo é válido pelas quartas-de-final da Copa da UEFA e será disputado no Estádio Alvalade, em Lisboa, dia 10 de abril.

Foram investidos aproximadamente 65 mil euros nessa jogada. E certamente terão resultado positivo caso o Clube se classifique na Copa. Os escolhidos serão aqueles que mais acompanharam o time durante a temporada.

Certamente, uma jogada para ser copiada pelos Clubes brasileiros. Muitos torcedores estão sempre com seu time e gostariam de ter seu esforço recompensado.



Foto: Divulgação

Apoio ao Amor

Ele é mais um dos garotos formados pela fábrica de craques chamada Argentina. Sergio “Kun” Agüero, a mais recente promessa porteña. Revelado pelo Independiente, Kun saiu muito cedo da América rumo à Europa: aos 17 anos. Hoje, aos 19, é o camisa #10 e craque do Atlético de Madrid.

Ela é Giannina. Giannina Maradona. A mais nova das duas filhas de Dieguito, um dos maiores jogadores que o futebol já teve, com Claudia Villafañe, sua ex-esposa.

O namoro de ambos foi oficializado em fevereiro, com a aprovação de Maradona. Agüero já havia declarado seu amor, mas sábado foi ainda mais explícito.

Na partida vencida por 2 a 1 pelo Atlético, contra o Sevilla – com o gol da vitória sendo marcado pelo próprio – o jovem jogador entrou em campo usando chuteiras com os nomes “Giani” e “Kun”. O jogo era válido pelo Campeonato Espanhol.

A Nike, patrocinadora do argentino, certamente ficou muito contente com a demonstração de amor. Cinegrafistas e fotógrafos registraram a homenagem. O resultado é a aparição do Swoosh na imprensa mundial “sem querer”. A Nike “patrocinando” o amor. Que lindo!

Por outro lado, Giani não deve ter gostado quando seu namorado recebeu uma cabeçada (ao estilo Zidane em Materazzi) do italiano Enzo Maresca.


Foto: Divulgação

Uma Baita Jogada de Solidariedade

Os torcedores estão de parabéns!

No início de 2008, a torcedora gremista Siane Tschiedel Rodrigues dos Santos, de Gravataí, descobriu que estava sofrendo uma rara doença, aplasia medular.

Siane precisa de doadores de medula e de sangue, preferencialmente ‘O’ negativo. Quem quiser ajudá-la (gremistas, colorados, juventudistas, caxienses, xavantes; enfim, todos) deve comparecer ao Banco de Sangue da Santa Casa, localizada na Avenida Independência, 75, em Porto Alegre, de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h30, e aos sábados, das 7h30 às 13h. A guria necessita de sangue de 12 em 12 horas.

O Grêmio divulgou a informação em seu site na última terça-feira, afirmando que o torcedor Tricolor que doasse sangue e apresentasse o comprovante de doação teria direito a um ingresso para o jogo contra o Sapucaiense, sexta-feira. Além disso, os doadores concorreram a uma Camisa Oficial do Clube.

Em atitude nobre, as comunidades de Grêmio e Internacional do site de relacionamentos Orkut ajudaram na divulgação da campanha, criando tópicos para mobilização de doadores.

Que Siane se recupere logo e retorne, esbanjando saúde, às arquibancadas do Olímpico! Ponto para o Grêmio! Ponto para Colorados e Gremistas!


Foto: gremio.net

sábado, 22 de março de 2008

Os novos motores do futebol

Não estou falando em Kaká, Pirlo, Tinga, Lucho González, Ibson ou Lulinha, jogadores que correm todo o jogo, armando as jogadas de seus times. Mas sim da Superleague Formula, lançada em 2007, com início previsto para agosto deste ano.

Os quatro primeiros Clubes confirmados foram o Milan, da Itália, o Porto, de Portugal, o PSV, da Holanda, e o Olympiakos, da Grécia. Além desses, outros que já acertaram sua participação são: Anderlecht, Borussia Dortmund, Glasgow Rangers, Basel, Galatasaray, Sevilla, Corinthians e Flamengo.

A idéia do Campeonato é oferecer um espetáculo, diante da união dos dois esportes com mais torcidas pelo Mundo: o Automobilismo e o Futebol, oferecendo ação e emoção, aumentada ainda mais com a igualdade mecânica dos carros. Esses terão as cores de seus respectivos Clubes.

Haverá 20 equipes do mundo inteiro. A princípio, apenas um Clube de cada país. O Brasil é, por enquanto, o único a ter dois carros na competição.

Os Clubes não desembolsarão nada na Superleague. Cederão suas marcas e receberão cotas por patrocínio e direitos de televisão e de imagem. O vencedor de cada etapa receberá um milhão de euros. Mas o maior ponto positivo da disputa é maior visibilidade que os times terão no Exterior.

A primeira temporada percorrerá seis circuitos, na Europa: Reino Unido, Alemanha, Bélgica, Itália, Portugal, e Espanha.

Foto: superleague.com

sexta-feira, 21 de março de 2008

Quem dá mais?


As disputas dentro do futebol não se resumem somente às quatro linhas. Fora delas, as duas maiores marcas do segmento esportivo travam inúmeras batalhas em busca de um espaço para porem seu logotipo. A alemã, Adidas, e a norte-americana, Nike.

Em fevereiro, a Nike anunciou ser a nova fornecedora de material esportivo da Seleção Francesa, posto ocupado pela Adidas, por mais de trinta e cinco anos. O contrato terá início em 2011 e vigorará até 2018. Com o acerto, a americana desembolsará 42,6 milhões de euros anuais (!!), além de premiações por resultados. Em reais, cerca de 114 milhões. O antigo contrato rendia 10 milhões de euros à Federação Francesa de Futebol.

O estranho é que a mesma empresa paga à Confederação Brasileira de Futebol US$ 22 milhões, reajustados há pouco. Com a mudança, ficou combinado que haveria um novo acordo, caso houvesse um aumento de patrocínio para outra Federação. Segundo o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, a proximidade da Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil, poderá servir de argumento para o aumento. Basta? Não. Faltam os principais prós que o Brasil possui: Temos os melhores jogadores do mundo e somos detentores de cinco Copas do Mundo, contra apenas uma da França.

E tem mais disputa por aí. No início da semana, o Flamengo anunciou que pode trocar o swoosh pelas três listras. Além de uma proposta muito superior aos R$ 4,5 milhões que recebe anualmente, o Rubro-Negro alega prejuízos devido à falta de camisas oficiais em lojas do resto do Brasil. O contrato com a americana só termina na metade do ano que vem, mas o Mengão pede a rescisão de contrato.

Contudo, nem sempre a melhor proposta vence. Em 2007, a Nike ofereceu 50 milhões de euros por temporada à Federação Alemanha de Futebol, muito acima dos 11 que a Adidas pagava. A marca alemã, então, dobrou sua proposta e, mesmo com valores inferiores, renovou com a Seleção de seu país. Vitória do patriotismo!

quinta-feira, 20 de março de 2008

É isso aí, Velhinho!

O Marketing vive de oportunidades. Há de se aproveitar o momento certo para lançar uma nova ação e até para desviar uma atenção. Há anos, o futebol era assim: depois de uma derrota em clássico, era hora de anunciar uma nova contratação.

Talvez nem seja esse o caso, pois o evento provavelmente já estava marcado, mas o São Paulo conseguiu afastar o foco da derrota por 4 a 1 no clássico de domingo, contra o Palmeiras, promovendo o lançamento dos produtos oficiais do Clube, em parceria com a Warner Bros, a qual foi anunciada em abril de 2007.

Gigante no setor de entretenimento, a Warner é criadora de personagens de enorme sucesso, como os Looney Tunes, Batman, Superman, entre outros.

O Presidente do Tricolor Paulista, Juvenal Juvêncio, e o Diretor de Marketing, Júlio Casares, eram só sorrisos no evento que apresentou produtos como bichos de pelúcia e roupas de cama e que contou com a presença do Pernalonga e do Taz. Ambos estão em versão de pelúcia para venda e já vêm vestindo a camisa oficial do São Paulo.

Para o público feminino e infantil, segmentos que o Tricolor quer conquistar, o grande trunfo será o passarinho Piu-Piu, “Eu acho que vi um gatinho”, outro gigante de vendas.

Os produtos serão destinados a todos tipos de públicos, de todas as faixas etárias e classes sociais. Haverá produtos com preços populares e mais elevados.

A parceria terá 42 meses de duração, mas a intenção é de que permaneça por 10 anos. O Clube receberá aproximadamente três milhões de reais por luvas, mais 50% do que será arrecadado na venda dos produtos.

Mas, talvez, o principal objetivo seja o aumento da projeção mundial do São Paulo, principalmente no Japão, onde também serão vendidos produtos oficiais da parceria. Devido às três participações do Clube no Mundial de Clubes, o Tricolor tem grande número de simpatizantes orientais.

Além disso, Juvenal Juvêncio visa arrecadações semelhantes às dos Clubes europeus, com os produtos. Assim, o Presidente já anunciou que desembarcará em São Paulo, na metade do ano, um jogador em nível de Seleção vindo da Europa. É esperar para ver.

Cabe aos outros Clubes brasileiros buscarem maior projeção internacional e apresentarem constante crescimento de torcida para conquistarem esse tipo de parceria, que, como vimos, dará grandes frutos no São Paulo, uma excelência em Marketing.

Foto: globoesporte.com

quarta-feira, 19 de março de 2008

Francescoli e Zizou apresentam nova camisa do River Plate

Imagine poder contar com dois dos maiores jogadores da história do futebol mundial. Imaginou? Pois é. Torcedores do River Plate tiveram esse orgulho na noite de ontem.

Os Millonarios, apelido pelo qual também é conhecido o clube argentino, apresentaram seu uniforme para a temporada 08/09. O evento, para 300 convidados, contou com a participação de dois astros: o uruguaio Enzo Francescoli, um dos ídolos do River, e o francês Zinedine Zidane, convidado pela Adidas – patrocinadora do jogador e do Clube – e que esteve recentemente no Brasil.
Zizou, embaixador da marca alemã, é um confesso admirador do ex-atacante uruguaio, que jogou no Olympique de Marseille, clube onde o francês iniciou sua carreira. Zidane comprou quatro camisas do time argentino para presentear seus filhos. Um deles chama-se Enzo, uma homenagem ao seu ídolo.

A maior mudança na camiseta foi na tradicional faixa vermelha, que ficou mais larga. A gola será totalmente branca. Na parte superior das costas, agora, haverá a inscrição “El más grande”.

O francês foi convidado a assistir aos 13 minutos finais da partida interrompida entre River e San Martín, hoje. A partida terminou em 3 a 2 para o time do bairro de Nuñez.

O torcedor brasileiro poderia imaginar um evento desses contando com (guardadas as devidas proporções para cada caso):
- Reinaldo e o holandês Clarence Seedorf, no Atlético Mineiro, pela Lotto;
- Sicupira e os ingleses Michael Owen e John Terry, no Atlético Paranaense, pela Umbro;
- Bobô e novamente Seedorf, no Bahia, também pela Lotto;
- Rivelino e o holandês Ruud van Nistelrooy, no Corinthians, pela Nike;
- Tostão e o goleiro italiano Gianluigi Buffon, no Cruzeiro, pela Puma;
- Zico e Ronaldinho, no Flamengo, pela Nike;
- Didi e o próprio Zidane, ou Beckham, no Fluminense, pela Adidas.
- Renato Portaluppi e o camaronês Samuel Eto’o, no Grêmio, pela Puma;
- Falcão e Thierry Henry, no Internacional, pela Reebok;
- Ademir da Guia e novamente Zizou ou Beckham, no Palmeiras, pela Adidas;
- Pelé e também os ingleses Owen e Terry, no Santos, pela Umbro;
- Leônidas (se estivesse vivo), ou Rogério Ceni, e novamente Henry, no São Paulo, pela Reebok;
- Roberto Dinamite e o mesmo atacante francês (que costuma cantar o hino cruz-maltino), no Vasco da Gama, também pela Reebok

Como a Kappa, não patrocina grandes jogadores, a torcida do Botafogo poderia imaginar um evento desses com a apresentação de grandes ídolos, como Jairzinho e Nilton Santos.

Foto: Agência EFE

Bem-vindos!

Boa tarde a todos. Meu nome é Felipe Hammes Rodrigues, sou estudante do terceiro semestre de Relações Públicas, na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Tenho 20 anos, completados em 22 de janeiro.

Há tempos que venho pensando na criação de um Blog. É a forma que eu tenho para desenvolver e praticar um grande amor que eu tenho pela escrita e pela nossa Língua Portuguesa. Mas me faltava um tema. Faltava.

Um assunto pelo qual me interesso demais – talvez seja mais de uma das minhas paixões – e procuro sempre me informar sobre as novidades. O Marketing Esportivo.

Esse amor começou há dois anos. Antes de cursar Relações Públicas, fiz duas semanas de Educação Física. Fiquei cinco ou seis dias. E, antes de Educação Física, foram três meses de Publicidade e Propaganda na Escola Superior de Propaganda e Marketing.

Em 2006, no período em que estava cursando Publicidade, a ESPM ofereceu uma palestra sobre Marketing Esportivo. O tema era o Pan-Americano que seria realizado no ano seguinte. E gostei demais.

Mas, alguns meses depois, decidi cancelar minha matrícula na Faculdade e desistir do Curso. E não apenas isso. Deixei de lado uma estrutura extraordinária que a Escola oferecia (embora, não tenha nenhuma queixa da Faculdade dos Meios de Comunicação Social, onde estou hoje), uma turma incrível (a 1A; hoje, 5A) e amigos maravilhosos.

Nunca me esquecerei das diversas vezes que o “Tio”, Cristian Frantz, veio falar comigo: “Não desiste agora. Espera, ao menos, terminar o semestre para poder trancar. Palavra de ‘tio’ (um duplo sentido, aí)”.

É, Tio, não consegui te escutar e me arrependi demais por um longo tempo. Mas deixo o recado para todo mundo que vacila na escolha do Curso. Esperem terminar o semestre. Vocês não sabem (necessariamente) o que acontecerá no futuro. Como dizem, “O mundo dá voltas”, às vezes, dá tantas, que volta ao mesmo lugar. Esperem e se mantenham tranqüilos. Não ajam no impulso.

Eu estava decidido a trabalhar com esportes – mais uma paixão. Queria cursar Educação Física para ser Treinador de Futebol, Preparador Físico ou Personal Trainer. Por isso, não terminei o semestre de Publicidade. Iria para o campo da Saúde, que nada tem a ver com Comunicação. Não poderia aproveitar nenhuma cadeira. Não poderia...

Não consegui ficar duas semanas em tal Curso. Logo na primeira aula, o professor – não comentarei quem, nem o que disse por questões éticas – me deixou desconfiado sobre a carreira. Nas apresentações dos meus colegas, todos se diziam “hiperativos”, “que não conseguiam ficar parados”. Ora! Eu não sou nada hiperativo. Sou uma pessoa reservada, tranqüila. Mas (muito) determinada. Alguns dias depois, tive contato com cadáveres. Não era aquilo que eu queria para o meu futuro.

Desisti novamente. Dessa vez, sem arrependimentos. No primeiro semestre de 2007, voltei para a área da Comunicação. Relações Públicas é um curso que está muito ligado ao Marketing. O Marketing objetiva a satisfação das necessidades dos clientes por meio de produtos e serviços. E a atividade de RRPP trabalha na elaboração de idéias que possam estabelecer ou reconstruir conceitos positivos da organização. Por isso, estou me sentindo muito bem agora. No segundo semestre, houve uma nova palestra sobre Marketing Esportivo, agora na PUCRS, com a presença de dois fortes nomes da área: Wesley Cardia e Márcio Callage, da Olympikus. Mais uma excelente oportunidade que tive para confirmar minha escolha.

Ou seja, essa será a minha área. É dessa área que eu gosto e é dela que eu falarei.

Está no ar o Blog “UMA BAITA JOGADA”. Espero que todos saiam informados, sintam-se muito bem e voltem diariamente para conferir. Tentarei atualizá-lo freqüentemente.

Muito obrigado a todos.


Felipe Hammes Rodrigues